A semente do amor caiu ao chão e germinou
Dela gerou bela planta
Que uma linda e perfumada flor brotou
E uma vaca comeu a flor

A planta esperta ficou, bloqueou as vacas com espinhos
E até os belos pássaros afastou
Se ferrou plantinha infeliz
Que agora sozinha ficou

Que alguém te pode plantinha
Para que nasça flor sem espinhos
Para que te possam cheirar
E sozinha não mais ficar

Não me acostumo com o clima
com o tempo
com o vento e outras coisas

Não me acostumo com coisas simples que deveria me acostumar

Não me acostumo com coisas boas
com as ruins
com as que tenho que fazer

Não me acostumo com o rítimo que minha vida leva ou deixa de levar

Não me acostumo com meu cabelo
com minha barba
com as roupas que tenho que usar

Não me acostumo com a indiferença que costumo lançar

Não me acostumo com as distâncias
com não lhe ter por perto
com ter que ficar tão longe

Não me acostumo com o fato de não me acostumar

Não me acostumo fatos sórdidos
com histórias pobres
com ter que acreditar

Não me acostumo com ilusões insossas

Não me acostumo ao fato de achar que esta lista pode aumentar
com saber que as frases não rimam
com pensar que voltou para conferir

Não me acostumo com o fato que por ter feito ou não isso começou a rir.

Procuro por algo que não sei se quero encontrar

Encontro coisas que não deveria esperar

Espero por momentos eternos curtos demais para lembrar

Lembro-me de discussões amargas, que não gostaria de ter

Tenho case tudo que preciso

Preciso me lembrar de um sabor esquecido

Esqueço do que deveria procurar

Um toque de suas mãos é oque preciso
Um abraço desleixado no inicio do dia
Um beijo no rosto que nunca será em outro lugar
Um sorriso simpático ao rir de uma piada sem graça

Deixaste meu coração aqui quebrado
Trocado por alguém que não conheço, mas invejo
Pois ele tem o que jamais terei
O seu amor

Não que eu esperasse ter alguma chance
Na verdade em minha razão nunca houve esperança alguma
Mais não assim que meu coração sente
É como se houvesse um buraco em meu peito esperando por você

Porque fizeste isso comigo
Apesar de nada ter feito
Sinto como se tivesse perdido um grande amor
Uma amor que nunca existiu de verdade

Não faça oque não quer fazer
Não veja oque não quer ver
Não plante oque não quer colher

Não espere por atitudes corretas
Não apare as minhas arestas
Não ignore todas as setas

Não seja completamente perfeita
Não use pimenta malagueta
Não repare na minha sarjeta

Não teça planos
Não os deixe debaixo dos panos
Não tente furar os canos

Não entenda tudo que eu digo
Não esqueça tudo que eu digo
Não preze tudo que eu digo

Só faça oque não quer fazer
Só veja oque não quer ver
Só plante oque não quer colher

Não espere que desfaça meus erros
Não apare meus cabelos
Não ignore meus apelos

Não seja amável
Não use o palpável
Não repare um ato louvável

Não teça sonhos pequenos
Não deixe as palavras aos ventos
Não tente sufocar os rebentos

Não entenda meus gestos sinceros
Não esqueça meus gestos sinceros 
Não preze meus gestos sinceros

Faça oque quer fazer
Veja oque quer ver
Plante oque quer colher

Não espere que rime sozinho
Não apare a grama do vizinho
Não ignore o meu carinho

Não seja um amor passageiro
Não use o seu companheiro
Não repare se sou chocarreiro

Não teça sem imaginar
Não deixe de em nós pensar
Não tente só por tentar

Não entenda que sempre te amei
Não esqueça que sempre te amei
Mais preze pois sempre te amei

Postagens mais recentes Postagens mais antigas Página inicial

Blogger Template by Blogcrowds